Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Há um ano na Indonésia foi assim...

Mäyjo, 28.09.19
Há um ano terramotos e tsunami deixaram rasto de devastação na Indonésia.

IMG_7202.JPG

Um terramoto de 6,1 graus, a que se seguiu, três horas depois, um outro de 7,5 graus e um tsunami na ilha de Celebes na Indonésia, provocaram os estragos que as imagens mostram.
Existiram centenas de vítimas, tendo sido a sua maioria registada em Palu, cidade com cerca de 350 mil habitantes, na costa oeste de Celebes.

Flores de Fukushima nascem deformadas quatro anos após acidente nuclear

Mäyjo, 03.01.16

Reprodução

Não são apenas os seres humanos que sofrem com a radiação nuclear. Quatro anos após o terramoto e o tsunami que atingiram a central nuclear de Fukushima, no Japão, as flores começaram a nascer completamente deformadas na região.

As flores deformadas chamaram a atenção de pesquisadores que atuam na área e as levaram para análise genética. De acordo com a pesquisa, diversos hectares de plantações — de arroz, um dos alimentos mais consumidos no Japão, por exemplo — estão contaminados.

E, segundo os pesquisadores, não são apenas as flores que nasceram com deformações. As regiões próximas do desastre registram com frequência a aparição de aves e insetos com mais asas do que o usual ou completamente deformados.

Após ser atingida pelo terramoto e pelo tsunami, a usina de Fukushima foi responsável pela libertação de uma enorme quantidade de material nuclear. Apesar da agilidade das autoridades, não foi possível evitar a contaminação de boa parte do solo local.

Refugiados de Fukushima podem nunca voltar a casa

Mäyjo, 13.02.14

Refugiados de Fukushima podem nunca voltar a casa

 

O Governo japonês não vai cumprir a meta inicial para o regresso de cerca de 160 mil pessoas às suas casas, depois do tsunami e desastre nuclear de Fukushima, pelo que muitos destes estão já a refazer as suas vidas noutros locais.

“Não se pode levar uma vida temporária para sempre”, explicou Ichiro Kazawa, de 61 anos e cuja casa desapareceu no tsunami. A cidadã japonesa pleneava voltar para casa no próximo ano, com a mãe de 88 anos, mas já sabe que isso não irá acontecer. Agora, ela quer que o Governo também o admita.

Um relatório do Partido Liberal-Democrata, líder da coligação governamental, pediu ao Governo para abandonar a promessa feita a todos os 160 mil evacuados de que as suas casas atingidas pela radiação poderiam, um dia, ser habitadas.

O relatório pede também apoio financeiro para que estes cidadãos se mudem para novas casas noutros locais – e que o Estado gaste mais verbas com o armazenamento de enormes quantidades de lixo radioactivo, que está até 20 quilómetros da zona de evacuação.

A descontaminação está atrasada em sete das 11 cidades selecionadas, o que forçou as autoridades a afirmarem que não irão terminar o trabalho antes do prazo, ou seja, Março de 2014. Assim, 160 mil refugiados temporários tornar-se-ão permanentes.

 

Foto:  raneko/ Creative Commons

 

in: Green Savers

EUA: uma casa capaz de resistir a tsunamis

Mäyjo, 21.01.14

EUA: uma casa capaz de resistir a tsunamis (com FOTOS)

 

Apesar de ser a maior economia do mundo, os Estados Unidos ainda não conseguem evitar os fenómenos atmosféricos mais extremos. Desde o Furacão Catrina ao Vórtex Polar, os Estados Unidos são frequentemente atingidos por fenómenos extremos que nos lembram que os resultados podem ser devastadores.

O fenómeno mais comum são os furacões e tornados, que todos os anos atingem várias cidades, destruindo principalmente habitações. Para evitar que as casas continuem a ser destruídas ano após ano, o atelier de arquitectos Designs Northwest Architects conceberam uma habitação que suporta os piores fenómenos naturais: desde ventos fortes, chuvas fortes, tempestades e até mesmo tsunamis.

Situada numa zona de leito de cheia na Camano Island, em Washington, a casa de dois andares é suportada por pilares de 1,5 metros, concebidos para suportar onda de alta velocidade. O rés-do-chão, chamado de “andar de cheia” é um espaço multiusos, cujas paredes estão projectadas para se partir em caso de tsunami, deixando assim a parte superior da habitação intacta, refere a Gizmag.

A decoração é simples e de estilo industrial, porém, os arquitectos conferiram-lhe um aspecto mais aconchegante ao introduzir algumas peças de madeira e bastantes janelas para uma luz natural. A habitação é composta por uma cozinha, sala, casa de banho, quarto principal e um quarto mais pequeno. Apesar de a casa ser à prova de tsunami, apenas se saberá se resiste quando for atingida por um.

 

 

in: Green Savers

 

Tsunami do Japão forma "ilha de lixo" que se dirige para a Califórnia

Mäyjo, 07.01.14

 

"Ilha" é três vezes maior do que a Grã-Bretanha

A "ilha de lixo" que se formou depois do tsunami no Japão está a dirigir-se para a Califórnia. São cerca de cinco toneladas de destroços. Edifícios de habitação e de negócios, barcos, carros e outros objectos estão a flutuar pelo Pacífico aos EUA, originando graves preocupações ambientais.

Ainda não foi possível determinar quando é que o lixo chegará à costa dos Estados Unidos, mas os cientistas estão a acompanhar de perto o movimento desta "ilha", que se estende desde o Alasca às Filipinas.

 

in: Jornal i